« Home | Bem vindos ao ::miolo-de-pote:: » | Adalberto e sua coluna, 'Babel' » | Coluna "Arte Incomum", por Helena de Tróia » | O Miolo-de-pote »

Palimpnóia

Virei cronista! Assim de repente sem sequer saber se sei fazer uma crônica. E porque escrever é minha mais deliciosa paranóia, minha coluna está sendo batizada de Palimpnóia. Talvez seja um sacrilégio agregar pergaminhos a uma escrita paranóica como a minha. Mas se é para apostar no novo, vamos em frente – que me perdoem os deuses dos papiros.
Acontece que tudo que se faz pela primeira vez dá frio no estômago. E estômago vazio quando esfria vira uma orquestra cacofônica. Foi assim que vim de Beagá. Pensando em como preencher o enorme espaço em branco do Miolo-de-pote sem parecer o que realmente sou: uma iniciante!

Mas dirigir pensando em crônica não podia mesmo dar certo. O pé pesou sem que eu percebesse e dois conscienciosos funcionários federais me pararam. Pediram-me documentos. Levei alguns minutos para encontrá-los. Nem preciso dizer que pescar alguma coisa na minha bolsa é como pescar dourado em rio de piaba . Entreguei-os olhando o guarda nos olhos. Enquanto um levou meus documentos o outro ficou parado do lado oposto. Olhando para mim. Eu para ele.
Perguntou-me algo. Não escutei. Delicadamente deu a volta e me pediu para diminuir o volume do som. Percebi que Renato Russo estava alguns decibéis acima do aconselhável aos ouvidos humanos. Volume abaixado, perguntei-lhe o que dissera. Não era nada importante. Apenas queria saber por que eu estava com tanta pressa. Pressa? Mas não estava com pressa. Seu guarda, estou é preocupada. Preciso fazer uma crônica e nem sei por onde começar. Crônica? O rosto dele virou um enorme ponto de interrogação. E fui salva de explicar o que não sabia com a chegada dos meus documentos e um papelzinho que marcava a velocidade em que eu estava.
Com um palavrão pensado, despedi-me. A vontade era sair arrancando pneus. Como um carrinho popular podia ultrapassar o limite de velocidade? E a crônica voltou a povoar meu estômago.
Agora, duplipensada. Crônica sobre a falta de grana para pagar uma multa. E quem estaria interessado na minha pobreza? Melhor reler Rubem Braga e buscar nele alguma inspiração. Ou não. Em tempos de Copa do mundo não deveria me faltar assunto. Não! Não há brasileiro que não esteja falando ou escrevendo sobre o hexa. Quero ao menos ser original. Nem política nem futebol.
E de tanto pensar, nada saiu. Com o espectro de um editor desconhecido marcando prazo para a entrega, cheguei em casa. O som do micro sendo inicializado, marcou o fim do meu prazo para pensar. Agora era escrever ou escrever.
- Sr. Editor, estou fazendo valer o título da coluna! E agora vou comer uma pizza porque também sou filha de Deus!
Imagem: Salvador Dali

e que cronista!!! parabéns, Euza...

Boa estréia, belo visual, boas idéias - é disso que estamos precisando por aqui. Saúdo a equipe para que um blog assim se cole no inconsciente virtual coletivo dos leitores. Abraços!

Loba! Estu orgulhosa, aqui!!!
Você já adquiriu a maneira dos cronistas que dizem "não poder fazer uma crônica" por falta de assunto...e a falta de assunto vira a própria crônica!!!!!!!
Muito engenhosa. Garota esperta!! Eu sempre soube...da sua esperteza...rs
Parabéns. Dou minha nota 10.
Beijos.
Dora

Vim, li e gostei. Gosto de Jazz, portanto, de improvisos. Palimpnoiamos-nos todos com a graça do seu talento.

bela estréia querida Euza!

sucesso a todos!

beijo grande.

Olá amiga Euza: parabéns por mais um espaço conquistado. Excelente ideía! Aqui, nada de Loba, né? Apenas a cronista Euza Noronha colocando sua bela escrita entre nós. Que vc tenha uma feliz participação. Boa sorte e sucesso sempre! Estarei aqui com minha cadeira cativa. Prestigiando e, acima de tudo, admirando.

Beijos detalhados...

Euza, recebi teu convite, vim conferir, li e, como sempre, achei ótimo o teu texto.
Leio você e me arrependo de rabiscar algumas idéias.
Continuo teu fã de carteirinha.
Lobo Praiano

Mas que delícia de texto, tia! fui lendo e imaginando a cena, gostaria de estar contigo no carro para trocarmos olhares cúmplices e fazermos valer o palavrão não dito. Bom, aí não haveria crônica, só dentro da cadeia, hahaha... Adorei viu? Tua estréia não poodia ser melhor. Quando a gente não sabe do que falar se encontra onde não podia ou não devia. E é ótimo todo encontro desavisado. Um beijo enorme. SUCESSO sempre.

Bom dia dona LOBA.Adorei o espaço,divertida a crônica.Muito boa. Parece fácil falar do cotidiano,mas nao é nao,por ser muito prosaico.Como narrar sem forçar a mao para o jornalístisco e nao exagerar para o sentimentalismo.Rubens Braga tinha a mao certa(é o mestre)Clarice tambem.E ,LOBA,o prosaico na sua mao promete encontros e surpresas.Muito bom E voce diz que nao é cronista?Prabens pelo espaço.dexy

tah bem, li os outros coments... o q devo acrescenar a eles...? axo q vai virar pleonasmo se eu disser mais alguma coisa... rsrsrrsr mas é isso mesmo. uma delícia d ler e pronto.
um xero pra tu e vamo v no q isso vai dar...!!!!!!!!!

A primeira crônica a gente nunca esquece... Parabéns!

Adorei! principalmente o pé pesado! Se o peso estava no pé, suas palavras continuam leves e cativas. Parabéns pelo novo espaço!!
Salve a Euza Cronista!! Beijus

Como não deixar de vir prestigiar a estréia de uma grande amiga? E agora como cronista? Fala sério, eu tinha certeza que vc ia se sair bem...
Adorei, e como disse a Dorinha, tu conseguiu fazer uma excelente crônica mesmo sem ter um assunto definido...
Amiga, vc é especial e merece todo o espaço que tem conquistado.
Um beijo,

Cheguei! Mas cheguei merrrrrrrrmo, com borra, como dizem os caboclos aqui. Parabéns pela coluna, tenho certeza que vai ser um sucesso, como tudo que vc faz, né? :D Agora vc pode ser original e escrever sobre os políticos que tão na Alemanha por nossa conta, que tal? rs. Beijão, vida longa à Palimpnóia!

Eu vim também! Tinha que ser assim a sua estréia né Dona Euza? Quer dizer então que foi multada de novo? Qq dia vão rifar sua cabeça, cê vai ver! Gostei muito e desejo sucesso pra todos vocês. Beijinhos. (tem uma fila aqui atrás querendo ler a mãe da filha mais coruja de BH!!!;))

isso é que é começar com o pé direito... no acelerador... teria algo mais apropriado?
divertido e maravilhoso!
vida longa à... ops, hum? é, esse nome aí mesmo... rs.
grande beijo!!!

Loba, estou aqui pra te desejar felicidades nessa nova empreitada. Bem sei que conseguirá.
Fiquei muito feliz em saber da notícia e mais ainda em ver a sua foto. Você é linda...
Beijos e sucessos, gatona!

Minha cara cidadã Euza
Em nome dos cidadãos que trafegam pelas estradas dentro dos limites de velocidade e, por não querermos fazer-lhe visitas fora de hora, em locais não aprazíveis, encareço que a novel colunista não se precipite pelas vias sem passar os olhos pelo Código Nacional de Transito; há três meses fiz isto e fui prestar prova obrigatória. Passei. Descobri que vivia transgredindo .
Vc ótima transgressora das letras vai colocar ou tirar muita coisa neste miolo de pote. Sua marca registrada que a levou ao estrelato deste céu de blogueiros é o visgo que vem nos pegando, os “desavisados” apaixonados. É o sucesso. / beijo.

Euza Noronha, faça-me o favor! A senhora é uma das melhores cronistas da história da blogosfera. Ora, ora, bem Vinda ao Miolo! Desde já, todo o sucesso. Abraços.

Euza...
Modesta você "Hein!?". Ótimo texto, agradabilíssimo e cheio de humor, com direito a trilha e tudo.
Não a conhecia ainda, mas já vi que serei mais um dos miolos viciados na "Euzinha", se me permite chamar assim claro. Gosto de textos assim, com vida e cheio de personalidade, quando li sua coluna alegrei ainda mais o meu dia.

Seja bem vinda, e desde já me permita tornar mais um admirador e colega de pote.
Forte abraço, e até breve.

Minha cara Lupina...eis-me aqui, como um anjo (de novo), relembrando inícios e celebrando com você um novo início. É a Euza cujos escritos que aprendemos a gostar. Beijo de alegria por você.

Querida Loba,
Te desejo sucesso (redundância),vc já é o sucesso. Crônica é isso aí, um relato num dado momento, num tempo (cronus). Só pra te fazer companhia qdo. cheguei em casa havia uma multa por dirigir falando ao celular hahahaha juntando todas que preciso pagar não tenho a grana. Já estourei meus pontos. Beijos enormes,
Sérgio

Como diria a gauchada, estrear com todo esse sucesso, cronicando com empáfia, é coisa pra macho nenhum botar defeito, tchê!!!
Ôps, quiz fazer comentário diferente dos outros e saiu isso aí. Mas tu és boa mesmo, guria.
A declarar só o pedido de que se correr, não beba... beijos sorridentes

PS: cadê as caixinhas de comentários no blog da Loba?

Eu sabia que ia ser assim: um lançamento caprichado de uma cronista de futuro. E o futuro já começou. Parabéns, Euza Noronha, pelo domínio da linguagem, pela criatividade cativante, pelo bom humor das circunstâcias boladas. Parabéns. Já faço parte do corteja de fãs. Grande abraço.

E cá estou repetindo o que já falaram, genial!!
Merecidos aplausos minha querida, ótimo conto.
beijossssssss

estou aqui p indicação de Linaldo...
ADOREI!!!!!!
Precisamos mesmo de espaços pensantes aqui na net.
Parabéns pela crônica e pelo blog!!!!
Voltarei mais vezes

Garota!!! E começas em grande estilo, a falar do próprio ato de escrever!!! Maravilha e parabéns, pois o mundo é de quem pensa e age, é de quem tem coragem de rasgar estradas. À cronista Euza Noronha, meu abraço e carinho

Para quem tem a tua versatilidade basta escrever a primeira palavra que as demais virão. E então, não ficaste feliz com o resultado da crônica? Fico esperando a próxima, e deixo meus parabéns pela boa estréia. Jota Effe Esse.

Aí, hein!!!
Escreveu uma crônica sobre a preocupação de saber ou não escrever crônicas. Parabéns, menina! Escritora é escritora, basta se sentar na frente do pc, esvaziar a mente e os dedos - de unhas muito bem feitas - começam a tamborilar no teclado, como se pensassem por si. E aí está, sua primeira e belísima crônica.
Beijos de saudades.

buscar num capixaba a inspiração q todos aqueles mineiros podiam dar? se bem q todos eles renasceram cá no rio, daí os dois pontos: vem pra cá tu tbm

Toda e qualquer palavra dita agora será desnecessária,serei decerto repetitiva,mas,não poderia furtar-me a parabenizá-la e ser inevitavelmente repetitiva:bela crônica,texto leve e inteligente como de grandes escritores.Você é grande...parabéeeeeeens!Decerto estarei sempre passando por aqui.

Uma iniciante?
Qual quê, o seu início foi brilhante.
Beijinhos.

Loba... Que ótima crônica. Parabéns menina. Lembra que enviei um e-mail falando que gostaria de vê-la no novos escritores, e cá está você, esbanjando talento. Toda terça, com certeza vou bater o ponto no Miolo de pote.

Beijão
Soninhaloba

Euza
te conhecí em vários "manicomios"
"Correndo Contra o Vento",blog da "Loba", "Corpus et Anima" e breve verei no 'Corpo E Alma"
Espero que consigam que esta "desmiolada" consiga contribuir para o POTE
Bjs
Te amo
Dirceu

Loba, você fez mesmo valer o nome da coluna e por isso "te perdoam os deuses dos papiros". Voltarei outras vezes. Abraço,
Diovvani

manaaa parabens!!!! voce é dona das palavras e sabe nos prender !
beijo grande

Loba, q prazer vê-la nesse cantinhu taum cheio de talento e vc faz parte dessa seleção de escritores, cronistas, contistas, poetas...vc é issu td.
Parabéns!
Beijos Poéticos.
;**

E você não tinha assunto, hein? Abordou tantos assuntos diferentes e de forma coordenada. Estarei por aqui para a leitura semanal.
Ray.

Adorei a crônica e o blog.
Parabéns.

http://dudu.oliva.blog.uol.com.br

Miniiiiina!
E você ainda tem coragem de dizer que não sabe fazer alguma coisa?
Se esta não for uma crônica das melhores, jogo tudo o que já escreví no lixo e fico apenas babando diante das tuas letras...

Beijãozão, com a saudade evaporando por todos os poros.

Como vc está cansada de saber, sou seu fã. fazer o quê?
Excelente crônica e espero q vc tenha mto sucesso nesse novo empreendimento.

Postar um comentário