« Home | Hein!? » | Arte Incomum » | O Martelo e a Bigorna » | Crônica de Artur da Távola » | Babel » | Palimpnóia » | Ficção e Desatino » | Hein!? » | Arte Incomum » | O Martelo e a Bigorna »

Ficção e Desatino

Breves linhas sobre a multiartista Gilda de Abreu

Filha de um médico e da cantora lírica Nícia Silva, Gilda de Abreu nasce em Paris, na França, durante a estada de seus pais naquele país. Vem ao Brasil aos quatro anos e, desde cedo, estuda canto com a mãe. Mais tarde forma-se no Instituto Nacional de Música e, além de fazer concertos, apresenta-se em festas de caridade. Em 1933 estréia no Teatro com a peça musicada “A Canção Brasileira”, de Luiz Iglesias e Miguel Santos. É exatamente nessa época que Gilda conhece o cantor Vicente Celestino, seu parceiro durante toda a vida. Em 1935, estréia como atriz de cinema em “Bonequinha de Seda”. Gilda de Abreu, que, até então, era atriz de teatro e cinema, compositora, cantora, romancista, autora de teatro e de rádio-novelas, lança, em 1946, “O Ébrio”, longa-metragem realizado sob a sua batuta e inspirado na famosa canção de Vicente Celestino. Apesar de possuir uma quantia pequena de títulos em sua filmografia (três longas como diretora e três como atriz), Gilda de Abreu é uma das mais importantes personalidades do cinema brasileiro e tambem carrega o título de mulher pioneira em direção de filmes.

Imagem: www.adorocinemabrasileiro.com.br

Interessante lembrar biografias que fazem a diferença. Pouco se sabe sobre a história do cinema brasileiro.

E eu que não sabia que ela era cineasta!

APOSENTOU-SE AOS 42 ANOS ESTA É DE LASCAR...

Documento do INSS obtido pela coluna mostra que o presidente Lula não pode reclamar da vida: a aposentadoria especial para anistiado político, concedida em 1996 e requerida um ano antes, retroagiu a 5/10/1988, um dia antes de ele completar 43 anos. O companheiro presidente tinha 22 anos de serviço, na ocasião. O benefício, que em 2005 totaliza R$ 8.862,57, está devidamente isento do pagamento de imposto de renda.
http://fabianamelovieira.blogspot.com/

Gostei e também pesquiso histórias de outras gerações só que na música.

Em uma época em que a mulher não era reconhecida no meio profissional ainda mais no cinema.

Beatriz
É possível assistir alguma cópia desses filmes?? Onde? Deve ser bem interessante.

Beatriz,
Obrigada por nos contemplar com mais um resgate do patrimônio artístico brasileiro. Sempre bem-vindo em uma sociedade que faz questão de esquecer. Onde se privilegiam falsas estrelas e oportunistas viraram heróis. Seus posts começam a colocar personagens nos devidos lugares.

Beijos.

Bonito isso, menina!

Postar um comentário