« Home | Arte Incomum » | O Martelo e a Bigorna » | Miolos - Por Dácio Jaegger » | Babel » | Palimpnóia » | Ficção e Desatino » | Hein!? » | Arte Incomum » | O Martelo e a Bigorna » | PRECISA-SE DE COLUNISTA »

Hein!?

Um pouco da nossa música nos anos 70

Na década de 70 nasce a história do rock no Brasil, uma inspiração do primeiro movimento de cultura jovem do Brasil, a Jovem Guarda de Roberto e Erasmo Carlos. A partir daí, a rapaziada começou a misturar a guitarra elétrica com elementos da música brasileira dando outro empurrão na música brasileira com a Tropicália - 1967. Passando a revolução musical causada por Gil, Caetano e os Mutantes, o rock ganhou uma cara marginal no cenário da música brasileira.

Vários fatores colaboraram para que nos anos 70 o roqueiro tivesse cara de bandido, como cantou Rita Lee, que saiu dos Mutantes, se juntou a banda Tutti-Frutti e virou nossa rainha do rock. O maior ícone do rock nacional surgiu também nesta mesma época, vindo da Bahia. Raul Seixas misturava Elvis Presley e Jerry Lee Lews com Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro, com muito esoterismo e irreverência.

Os Secos & Molhados adaptaram a música folclórica com o Glitter Rock de David Bowie alcançando um sucesso nunca visto na cena – quebrando recordes de vendas com o primeiro disco em 1973 – e ainda revelando um grande nome da música popular brasileira, Ney Matogrosso.

Na segunda metade da década as poucas bandas que insistiam em fazer rock no país geralmente tendiam para o HardMade in Brazil, Patrulha do Espaço, Bixo da Seda – ou para o ProgressivoO Terço, Moto Perpétuo, Casa das Máquinas, Veludo Elétrico, Vímana. Restavam ainda outras vertentes da música como o Rock Rural com , Rodrix & Guarabira e o Pré Punk Joelho de Porco. Caminhando para o fim da década de 70 o rock nacional perdeu sua força devido a grande massificação nas rádios do som Discoteque.

Por Weberth Mota
[ Trilha para a semana; Build Up - Rita Lee ]
[ Dica de Leitura; O Caçador de Pipas ]

Olha, abri o Miolo e dei de cara com seu artigo, parabéns, muito bem lembrado, uma época rica culturalmente, artistas maravilhosos. Eu continuo preservando na minha casa esse tipo de música e tem influenciado meus filhos no gosto musical, portanto nao está totalmente extinto. Coisas de qualidade sempre ficam.. Beijão

Soninha

Meniono, vc me fez voar alto com este texto!!! Um tanto de saudade e muito de alegria por ter vivido esta década! Maravilhosa! Raulzito, sem dúvida era meu grande ídolo nacional. Mas tinha Dylan, Joan Baez, Mercedes Soza, Hendrix... muita música de protesto, muito rock, muito blues... e woodstock, claro!!! Bom demais lembrar disso!
Adorei, viu?
Beijos muitos

Gostei muito porque no artigo tenho uma visão do gosto musical dos anos 70. Não vivi essa época, mas sou ligado em pesquisa musical. Se passar no meu blog verá.

Um abraço

Você tem o link de Build Up - Rita Lee ?

Adorei! Lembrou todos e Mutantes, Tutti-Frutti,Secos & Molhados, meus preferidos!!!

Muito bom,Weberth!
Considero um período rico, muito diferente desse marasmo cultural em que vivemos hoje.A década de 70 veio confirmar tendências e realizações de vanguarda. Movimentos na explosão de comportamentos e estéticas musicais como vc muito bem coloca. De um lado o Brasil no chamado "milagre brasileiro", e na outra ponta o teatro, que também teve grande importância, pois permitiu com seus memoráveis espetáculos modificar a mise-en-scène brasileira.

Acompanhei essa história na minha adolescência. Saudades!
Pensei que minha memória estivesse deteriorando! Rs
Esse blog é realmente escrito para mim que tenho cérebro!Rs
Agradeço visita da Helena.
Abraços.

Olá muito cultural, seu post faz parte de nós. :-) beijos e boa semana

Weberth, parabéns, ótimo artigo musical, uma viagem a decada de 70. Abs para vc, para Helena e minha doce conterrânea Euza. Participe do MDLN - Movimento Digital de Libertação Nacional. Visite o Aparte e participe enviando sugestões e comentários. Abs. Jarbas

A saudade foi batendo na medida que sua viagem foi conduzida, imprimindo a alegria pela contemporaneidade. Realmente foi a década das maravilhas musicais. E seu caráter internacional pegou bem. Época da ralação e da “ralhação”. Muito bom. Um abraço

Depois da década dos anos 60 tem se feito pouca coisa em termos de música, de coisas novas, vanguardistas e iconoclásticas. Foi a década da vanguarda e da desconstrução do barroco no Brasil e da liquidação era vitoriana na Inglaterra. Aqui surgiu a bossa nova; lá os Beatles e a mini-saia. Foi a época a contra-cultura, das "viagens", das comunidades hippies, enfim, foi um festival de mudanças que varreu o mundo. Fez outro mundo e abriu as portas da liberdade. Até hoje nada se compara àqueles incríveis anos da década de 60. Foi também a descoberta a pílula anti-concepcional que libertou as mulheres. Make love no war! era o slogan. Foi um tempo que liquidou a hipocrisia de toda uma era. Continua sendo um marco, um divisor de águas na história cultural da humanidade. O próprio rock foi emblemático desse tempo.

Abraços do
Aluízio Amorim
http://oquepensaaluizio.zip.net

Postar um comentário