« Home | De alcunhas, apelidos, apodos e similares - por Cl... » | Ignorância e Poder – por Angela Merice Lemos Sales... » | Babel » | Palimpnóia » | O Rio da Minha Aldeia - por Pablo Capistrano » | Jovem Guarda » | Um Enigmático Sorriso » | Máquinas que falam – Por Carla Rodrigues » | Saudades do amor - por Pablo Capistrano » | Hein!? »

Arte Incomum


"O atestado de óbito da esperança"


Esperando Godot, obra-prima do dramaturgo irlandês Samuel Beckett (1906-1989). A peça estreou em 1953 e se tornou um divisor de águas no teatro do século passado. Na história, dois vagabundos aguardam a vinda do sr. Godot, que nunca aparece. Enquanto aguardam, eles iniciam uma reflexão a respeito da vida. No centro de Godot, estão dois palhaços tristes, implicantes, insatisfeitos e solitários, que passam os dias a esperar a solução de seus problemas. Na trama, os vagabundos Estragon e Vladimir esperam em vão a chegada de um personagem enigmático, um certo Godot (símbolo do inalcançável).

Beckett foi capaz de mergulhar nas mazelas inerentes à condição humana, encontrando a solidão e o absurdo dessa condição. Baseando-se na chegada de Godot, as personagens mostram a constante busca pela felicidade para reverter sua condição de miséria. Atualidade social e metafísica e uma incrível comicidade tornam "Godot" um grande espetáculo popular. A obra de Beckett, mais do que representar a superfície inteligível da vida, o autor disseca a consciência humana e os sistemas pelas quais tentamos organizar nossas vidas.

"Godot...será que ele vem? Será que não? Talvez virá... amanhã!"

Nota: Samuel Beckett é considerado o pai do chamado "teatro do absurdo". Abordando o vazio da vida criou um humor: amargo, sombrio, levemente absurdo na sua disposição de ser irônico e zombeteiro. Em 1969, Beckett recebeu o Prêmio Nobel de Literatura.

Imagem: Intervenção urbana Esperando Godot. Direção:Wolfgang Pannek, SP, 2000.

Helena de Tróia, não é comum que os blogs destaquem o teatro. E como fazemos do teatro nosso ofício, é muito gratificante, além da escolha da escolha de Beckett, um tramaturgo genial, cuja arte considerada absurda, tão absurda, quanto as angústias humanas. Aproveite e visite nosso blog, estamos com o mais recente espetáculo.Um bom final de semana.
Rose Mary Martins

Acho que encontrei o Beckett muito cedo e continuo esperando o Godot. Vou relê-lo depois do teu post.

Não sei porque lembrei daqueles dizeres estampados em prédios e pontes (antes dessas pixações de hoje nas grandes cidades...) que diziam: "JESUS EM BREVE VOLTARÁ!!!"

Será que no oriente eles dizem "O CENSURADO EM BREVE VOLTARÁ??"

.
.
.
(espaço para reflexão)

E eu, continuo "esperando Godot" :))

Já assisti a peça no teatro. Deve ser interessante assisti-la na rua: atores, personagens es pessoas que passam, todos na mesma condição: esperando Godot.

BOM DIA!
Como é bom dizer BOM DIA para pessoas tão especiais.Você sabe que é especial e também deve saber porque é especial.E além de ser especial, você deve conhecer seu talento, seus dons. Tenha fé em você, acredite de coração e cristalize seus pensamentos, lute contra a negatividade,combata o ego, e irradie luz e amor para seu próximo e saiba que o bem que você fizer a qualquer que seja , estará fazendo bem a você mesmo.
Muita Paz!
SHALOM
CALIEL
http://calielamensagem.blig.ig.com.br/

Lendo o post tive uma idéia para o meu blog. Vou pesquisar algumas biografias de personalidades que foram importantes na história das ciências e das artes.

Creo que más pronto o más tarde hay que tomar la decisión de darle plantón a Godot -por impuntual- y dedicarse a buscar activamente a otros que- quizá- estén deseando llegar... Santa, gracias constantes por tanto cómo nos aportas, querida.

Un besito

Hannah

Tróia
Olhe, este negócio de esperar Godot não dá , tem que correr se não o bicho pega.

O Brasil é um País reconhecido pelos seus dramaturgos, grandes atores, grandes encenadores. Uma história de teatro brasileiro riquíssima!. E, mesmo assim todos que atuam nesta área reclamam que não conseguem produzir pelo alto custo e a falta de incentivo do governo. O que menos as pessoas assistem é teatro, embora se encantem quando a oportunidade surge. Nas escolas nem pensar...

Os artistas e trabalhadores, no Brasil,também esperam Godot!!

Assisti a peça, mas não li o texto. Senti um aprisionamento, que não sei se aproxima a algum humor. Ao contrário, a versão apresentada me passou muita angústia.

Li algo próximo. Antonin Artaud explicita a dor.

Boa dica Helena, com a possibilidade de reeleição da nomenklatura petista, há pouca esperança. Beckett por mais 4 anos. Céus!

Ao escrever esta peça Beckett não propunha que as pessoas ficassem inertes, acomodadas esperando a solução dos seus problemas (como um passe de mágica) . O que o texto de Godot discute é porque as pessoas esperam.

Li mais de um livro dele e assisto peças de teatro do absurdo porque gosto da estética que quebra padrões pré-estabelecidos. São mais desafiadores, fazem com que as pessoas pensem mais. A obra de Beckett como de tantos outros (corajosos de seu tempo) é aberta para muitas interpretações. E pelo fato de populares, qualquer pessoa que assiste faz a sua reflexão.

É triste que no Brasil temos um presidente que confessou em público que ler é tão chato quanto fazer exercícios físicos em uma esteira. Até imagino o que ele diria sobre assistir uma peça de teatro e investir nesta arte para a população.

Santa, o atestado de óbito da esperança Lula já deu. E deixou o povo como estes dois patéticos a espera de Godot. Agora é saber escolher melhor nas próximas eleições para presidente.

Do ......Seu maior fã!!!!!

Helena
Acho bom não confiar muito neste tal sr. Godot. É um tratante. Conheço gente que morreu de velho, na espera...-:)


Gostei do blog, cunhada!!

Obra magnífica que nos despierta las conciencias. Emblema del teatro, de todos los teatros del mundo, aquí también es una obra fetiche. La eterna espera de la felicidad, esa que no nos hace ser conscientes de nuestro presente.
Un abrazo desde España

Hunn. Não outra coisa. Só esperar...

correção:

"Não faço outra coisa. Só esperar..."

Tróia, eu espero Godot desde que nasci:)))

SANTA, não vi mas gostaria muito de ter viste, porque adoro teatro, e esta tua imagem que aqui tens está fenómenal. É a sociedade de costas voltadas uma para a outra. Um grande beijinho.

Nunca pensei nisso. Devo estar nessa, esperar...Esperar...

Eu nunca vi :( mas gostava de ver...;)

Santa Tróia

Nunca vi nada com mais cara de brasileiro "dos últimos dias"! Uma beijoca!

Parabéns pelo post. Precisamos refletir: porque esperamos tanto.

Cara Helena,

Estou sentando na esquina da vida esperando Godard, esperando o chaveiro chegar também para destravar a porta do meu carro.

Bjs

Por mais absurdo que possa parecer é uma verdade.

Nunca assisti uma peça desse dramaturgo. Parece interessante a forma como representa a vida.Esperar por dias melhores e quem não espera?

William&Odilene

Tróia, gosto muito das peças dele. Samuel Beckett é, sem dúvida, um dos maiores dramaturgos do século XX. Embora sua produção seja pequena traduziu, com grande poder de síntese, o homem contemporâneo e a condição humana.

Helena
Estamos numa fase mais avançada. A do Atraso de Godot:)
Beijos

Só assisti uma peça de teatro de Beckett que foi "Ato sem Palavras". Impressionante a peça não tem texto e prende atençaõ até o final. E mais, comunica para qualquer pessoa, de criança a idosos e de qualquer nível social ou de instrução.

Eu não entendo de arte. Já disse isso e sempre que visito o blog, eu aprendo. Um bom domingo a todos!.

Santa, Godot já veio e deu o recado. A questão é que poucos querem saber da realidade.
Mandei um e-mail com uma sugestões de pauta em artes plástcias incomummmm. Beijos.

Continuo esperando Godot sim.... sempre... Bom final de semana!

A falta de esperança muito bem retrado nas figuras sentadas.

Helena,

Minha Santa gosto de teatro, já fui muito, mas agora, hoje, menos que antigamente. Mas para mim o teatro é que nos permite um crítica mais próxima da arte popular. Aqui em BH temos teatro de rua, uma coisa muito boa. A visita é rapida, mas ler vc é o máximo. Bjs para vc e minha conterânea Euza, enquanto chove aqui, depois de muito tempo. Jarbas

Não assisti essa peça mas sempre que posso vou ao teatro. O teatro sendo a arte presente permite que o público se envolva de imediato com o que o espetáculo ofereça. Por isso que durante muito tempo foi proibido pela sua capacidade de interferir criticamente.

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

Aos leitores de Tróia, apesar de trabalhar com produção teatral, acredito que o verdadeiro teatro está nas ruas...Obrigada e bom domingo a todos!

Bom que vc trouxe, Helena, às reflexões de seu povo neste “momentum” a farsa trágica ou tragédia farsesca do homem, aqui interessa o brasílico, que expia o pecado de haver nascido
e estar subjugado ao País do Futuro, guiado por fósseis desde décadas (incluindo a década perdida). /beijo

Tróia querida, vivendo, aprendendo, e assim passa a carruagem:-)

Helena

Cheguei atrasada. Só li o e-mail sobre o Arte Incomum, hoje. Belo post! Uma chamada a pensar sobre as nossas concessões. Beijinhos.

Helena, seu texto me traz belas lembranças do movimento teatral dos anos 70/80, no Rio. // E conforme outros comentários, nos traz a comparação do cenário brasileiro em tempo de eleição, onde os palhaços mostram suas mentes equivocadas, e nós, como eternos palhaços, a esperar Godot. Parabéns.

É uma pena que não possa ver.
Engraçado que esse drama é e sempre será actual e cada vez mais, pq estaremos sempre à espera do que não vem...Parece absurdo mas é uma realidade nua e crua

bjks*

Beckett, cristalizou em Esperando Godot uma imagem de desalento que não encontrou rival até hoje.

Os dois pararam à minha frente com um ar interrogativo.

- È o sr. Godot?
- Quem? - perguntei sem entender.
- Godot? - reafirmou ele.
- Não, não sou eu.
Entreolharam-se. O maior virou-se para o pequeno com cara de idiota.
- Vamos?
- Embora?
- Não!
- Onde?
- Eperar.
- Quem?
- Godot, ora!
- Ah, é!

Voltaram-se, caminharam até a árvore e sentaram-se voltando a jogar seus olhares no horizonte...

NÃO PODEMOS PERDER A ÚNICA COISA QUE NOS RESTA... "A ESPERANÇA!"

Querídia gauxínia do Nordéstio, é íssio! Pareçe que eçe nosso pôvio do Brasílico tá isperândio o Godofrêdio, né? Tá tudo dezanimádio! Será que vai dexá o sápio barbúdio istragá de vêiz a prantação de xuxu, de tomátio, de abobrínia?...

Viva:

..."Pelo pouco tempo que me foi dado conhecer da política brasileira já constatei que a classe que a dirige é culturalmente muito pobre e intelectualmente desonesta."...

Aguardo o teu comentário no EG.
Um abraço,

Tesao de bloque esse aqui tambem! Linkado estara em casa ;-)

Obrigada pela visita ao Fotoescrita.
E gostei deste artigo.
Um abraço.

A espera pelo Messias...

Beckett... fenomenal...

a arte...

beijos europeus

Todos os brasileiros continuam esperando e continuarão...
Saúde e paz!
www.baratas2006.blogspot.com

Postar um comentário