« Home | Palimpnóia » | O Rio da Minha Aldeia - por Pablo Capistrano » | Jovem Guarda » | Um Enigmático Sorriso » | Máquinas que falam – Por Carla Rodrigues » | Saudades do amor - por Pablo Capistrano » | Hein!? » | Pai, por que não sê-lo? » | Vantagens Literárias - por Dora Vilela » | Babel »

Babel


Paulo Coelho é assim


O escritor brasileiro mais lido atualmente no mundo é, sem dúvida, o Paulo Coelho. Não por causa da morte de Jorge Amado, que durante décadas se tornou o brasileiro mais lido por número de livros vendidos no mundo, mas porque parece que desde a aparição do autor de O alquimista a literatura brasileira no exterior só tem um nome, o de Paulo Coelho. Podem pensar que é exagero a afirmação, mas não faltam motivos.
Coelho é tido como um grande autor, um grande romancista, e parece que o leitor brasileiro finalmente o aceitou com tal, principalmente após o escritor ter se tornado um imortal da ABL. Se esse feito é critério certo para dizer do poder de destaque de um autor entre as letras, não há dúvidas que Coelho é agora um dos grandes da literatura.
Mas nem toda a crítica concorda com o fato de se receber os louros da Academia. E nem toda crítica é a favor do Paulo Coelho, embora os críticos nunca o leiam, para falar a verdade. Os que leram, mentiram a verdade sobre o autor. Pelo menos só conheço uma crítica sincera sobre o mago dos livros até então, a do Décio Pignatari, que perguntado sobre se tinha gostado da obra de Coelho, respondeu: Não li e não gostei.
Quem o lê mesmo são os leitores brasileiros e mundiais, de todas as classes, ao que parece, salvando-se apenas um ou outro intelectual que o lê para lhe atirar pedras. Há críticas sobre os livros do autor em várias revistas e jornais brasileiros desde a época de sua estréia, e lá a ladainha é a de sempre: é autor medíocre, pobre coitado que não chega aos pés de um Guimarães Rosa.
Coelho faz uma literatura que é menos literatura que a de Rosa, sim, no sentido de que carece de maior elaboração, de riqueza vocabular, de domínio estético, de composição e conteúdo humano mais vibrante. Mas para quem lê Coelho, basta saber as suas histórias que, na verdade, prendem o leitor de um lado ao outro do livro.
O maior mérito de Paulo Coelho é que se trata de um excelente contador de histórias. Há a frase de um personagem seu em O Demônio e a Senhorita Prym (livro que reli, sem nenhum interesse, apenas por estar amarrado à narrativa) que diz há certa altura sobre a protagonista: “Essa menina sabe contar uma história”. Frase que se aplica perfeitamente ao escritor.
Se por um lado os livros de Paulo Coelho não têm o apuro semântico da melhor literatura brasileira, por outro é uma obra que tem cativado muita gente e tem introduzido pessoas, os jovens, principalmente, no fascinante mundo do romance. Concluo que Paulo Coelho é assim: o iniciador dos leitores jovens. Conheço casos de jovens que não liam nada até conhecer Paulo Coelho e que, após ler um único livro seu, foram a outros e mais outros, descobrindo autores e novos valores literários. Na escola sempre me perguntam pelo autor. E se me pedem livros dele, nao me envergonho de dizer que já li os seus livros e ainda dou a dica do que que ler sobre ele.
Na verdade, não importa se um autor tem ou não dívida com a tradição, se a tradição arremata-lhe os excessos e as faltas. Importa que esse autor tem contribuído com a literatura de seu país, com a difusão de sua língua através do mundo e que principalmente tem formado leitores, tem instigado pessoas a sair da passividade e participar mais dos debates naturais da cultura de seu povo.
Esses dias o escritor Carlos Romero falou sobre o fenômeno Paulo Coelho em sua coluna sobre livros num jornal paraibano. Realmente o escritor é o cara, como diria um jovem leitor do autor de Maktub. Romero escreve que em recente visita ao exterior, encontrou em várias cidades duas coisas: celular no ouvido e livros do Paulo Coelho. Ele disse que as obras do autor são tantas e em tão variadas traduções, que é de cair o queixo: holandês, inglês, francês, alemão, espanhol, russo, e até grego! O poeta Francisco Dantas também lembra que na França, aliás, na maioria dos países europeus, em todo lugar que se olha, livrarias, farmácias, botecos, etc, os livros do Paulo Coelho crescem aos bocados. Às vezes a vista cega de tanto livro do autor brasileiro. “Por certo, um cara como esse deve ter algum valor”, diz Dantas. E tem, com certeza. Acredito que o valor do Paulo Coelho é este: um artista que enquanto escritor escreve diretamente para um leitor. Um leitor que ele parece conhecer mais que a maioria de nós, os que escrevemos. Muitos escrevem bem melhor que o Coelho, mas suas mensagens não chegam à maioria. Por que? Talvez porque a maioria deve ler autores como Paulo Coelho, iniciadores, bons iniciadores, primeiro, em seguida lerá Guimarães Rosa, Machado de Assis, Dostoievski, Flaubert...

Foto: http://www.paulocoelho.com.br/

Adalberto, demorei para aparecer,
mas aqui estou e com saudades de
ler você. O blog está ótimo.
Parabéns. Voltarei mais vezes,
com mais calma. Esta foi apenas
a primeira visita, cronista.
Beijos!

Olá cronista.Primeira vez.Bom tema.
PAULO COELHO:

Li alguns livros dele:O alquimista,Onze minutos;..A senhora Prim.Por curiosidade.Se queremos criticar a favor ou contra temos que conhecer um pouco da obra.Mérito do autor em questão:atiçar a nova geração a literatura.minha mãe dizia que o que a introduziu na literatura foram certos livros proibidos :Jg de Araújo Jorge(poesias eróticas);Cassandra Rios(pornográfica e lésbica);os livros oficiais:José de Alencar,machado eram então chatos)até que com o tempo os redescobriu e ficou m\ravilhada e daí partiu para os clássicos franceses,ingleses,alemães,portugueses e brasileiros.O fato é que foi com autores criticamente menores e marginais que ela se interessou por literatura.Ela me passou este gostar.O fenômeno dos autores que muito vende é comum:na ingalaterra vitoriana podíamos ter Oscar Wild(depois banido oficialmente por preconceito)A tremenda estória do Retrato de Doryan gray é precioso.Antes dele havia o escritos de sade(as escondidas!)Lembremos tambem os Cpas Espadas de Alexandre Dumas;ou Júlio Verne(que tinha muito de fantástico e ciência no meio daquilo tudo).Hoje temos os Herry Poter!(há quem diga agora que o menino é gay!)Propaganda para mais vender?! O mundo místico e mágico(onde a fuga da realidade do mundo duro,assume o contorno do possível? Atrai adultos e crianças)Diversão pura.Para este nosso MUNDO violento,é um oasis!Outro sucesso imenso e antigo é a serie fantástica que virou filmes de mega sucesso :O Senhor dos Anéis. No Brasil,Monteiro lobato construiu a literatura infato juvenil e o interesse da leitura para milhares de jovesn!.Bem,artisticamente não gosto do escritor PC.sao historias repetitivas,açucaradas(que se passa sempre em outro país(o Brasil não existe para o escritor!com exceção do livro autobiográfico.)dá um mundo de fábulas,de sonhos e moral já estabelecida pelo senso comum(nada de novo propõe como observador do mundo,viajante do mundo)Seria esta a sua função?talvez não(mas isto pode alienar)diversão nem sempre é alienação.Mas ele não escreve romance social e histórico!E fim!Seu maior publico está no Irã!Deus meu!lá aonde as mulheres são oprimidas(melhorou um pouco),os livros de PC falam de amor,paciência,submissão! E...MAKTUB!DESTINO! QUE DESTINO?!!CONSTRUIDO POR QUEM NUMA SOCIEDADE OPRESSIVA?!!Por Alá!O governo dos aiatolás,agradecem o cultivo da obediência passiva!)é uma literatura do sonho,assim se a realidade é dura vamos nos encher de ópio literário! E submissão! Certa vez um leitor do proprio PC,lhe disse:GOSTO DO SEUS ROMANCES PORQUE ME DISTRAI E ME FAZ SUMIR DESSE MUNDO!”Bem..eis os leitores do escritor:não querem ver o real e muito menos se incomodar com ele.Assim,cada um escolhe passar o seu tempo ...Prefiro ler os evangelhos(tem mais sentido filosófico,político,contestador,revolucionário que as paginas dessas dúzias de Paulo Coelho.Cada um escolhe do que gosta. Ser eleito(em idas e vindas como imortal(coisa tola essa!imortal!o que é?!foi um golpe para prestigiar a Academia que anda muito baixa.sao intelectuais que nada discutem ou escrevem sobre o seu tempo,vivem de lemranças e afgos ao ego de cada um!Muito pouco para quem ser imortal(nem oi á=toa que Drummode e algusn outros cairam fora.paulo,aceito porque o mundo aceitou,entap(nada de olhar o mérito da obra apenas o prestigio do aitor(eis o mundo do faz de conta!Todos posam de eruditos e ...ausentes do mundo como umas múmias (como diz a música do raul seixas(aparte)Paulo já foi Revolucionario.De Hippie virou Yupye(como escreveisso?!)Eis o Mundo e os espertinhos de talento fazendo a cabeça de um monte de perdidos na noite escura!Quem se deu bem?O negocio hoej nao é talento é quem dá LUCRO as EDITORAS!Paulo se inventou como mago:fazer chuver,fazer trovoadas..tentou no inicio o Satanismo(era ganhar dinheiro ou ganhar dinheiro).nao deu certo ai virou o mago do bem!Damdo conselhos,mostrando a entranda para o paraíso!Tenho que rir da esperteza dele e da alienaçao babaca da maioria! Contar boas estórias da fuga a aliençao é um bom negocio,mas que isso:vamos abrir uma ifreja universal.Ai,ai...Enquanto isso...Dexy

SOS BRASIL! Eu quero a minha mãeeeee... manhêeeee! Um senador custa em média 125 MIL REAIS POR MÊS no Brasil!!! Temos 81 senadores! SOS BRASIL!

Adalberto Santos, muito proposital o seu posicionamento. Você mantem uma neutralidade de opinião que deixa perceber a sua habilidade em tocar no assunto. Diante disto, ofereço a você, como premio se ainda não leu, uma informação sobre um artigo publicado numa revista há muitos anos atrás, (procurei agora em casa e não encontrei) em que o autor cita um episodio até certo ponto pitoresco. Narra um fato em que um ladrão arromba o seu carro onde havia um par de meias sujas e um livro do autor que você citou. O ladrão opta por levar o par de meias. Ele diz (parecendo se lamentar) que o livro valia menos que um par de meias sujas.
Por outro lado, veja você. Esse artigo é uma informação que deveria ser lida por muitos blogueiros (supõe-se que gostem de literatura) e no entanto, veja o baixo número de comentários. A impressão que se dá é que as pessoas de certa forma são induzidas/manipuladas/conduzidas pra gostar disso ou daquilo, sem questionar o valor. Há uma associação da coisa com a pessoa, o que pode se torna perigoso quando informações valiosas, como esse artigo, passam despercebidas.
Abraços.

A minissérie DULCINÉIA http://dulcineia.blogspot.com

Adalberto! É esse, é esse o ponto em que me debato muito com vários colegas professores...Acredita? Eu também já li Paulo Coelho e já o indiquei exatamente para pessoas que permaneciam "fechadas" à leitura. É um passo. É um primeiro passo. Daí, em diante, a pessoa que lê Paulo Coelho_ e vai ler e gsotar, porque não tem referências anteriores para comparações_ vai procurar novos autores e vai chegar, um dia, aos clássicos! É minha tática e minha esperança...rs
Quanto ao fenômeno editorial "Paulo Coelho" e sua convivência entre os imortais, acho que é explicável como o Reinado do cantor Roberto Carlos. Ou da Rainha Xuxa. Mídia, valores em voga, muito merchandising, aparência, enfim... esses "astros" e o escritor são o reflexo do mundo atual.
Ótimo texto o seu. Comporta mais comentários...
Um grande abraço.
Dora

Particularmente não tenho o hábito de ler mais de uma coluna desta página, mas a sua me chamou a atenção, não apenas pelo tema, mas também por sua franqueza! Parabéns!!!
Apreciei o modo como você expôs sua opinião! Na realidade, penso de modo semelhante. Paulo Coelho não pode ser o mais lido à toa, pois eu mesma, fui uma jovem iniciada no mundo literário por ele. O primeiro livro que li na vida e que gostei foi "Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei". Depois deste, me dediquei a vários autores diferentes... "Álvares de Azevedo, Guimarães, Flaubert, Machado, Norah Roberts..." E aprendi que os livros não são apenas enfeites de estantes, mas têm sempre algo a nos ensinar.... Já li tantos livros que perdi as contas... Paulo, na minha opinião inexpereriente, tem a peculiaridade de seguir um mesmo estilo e geralmente mostra aquilo que acontece em nossas vidas... O que tanto buscamos a vida inteira, está e sempre esteve logo no começo das nossas buscas... Não gostei de Brida, mas não posso dizer que ele não me acrescentou em nada, uma vez que nada na vida é inútil e totalmente fútil...
Hoje tenho um sonho peculiar de escrever um romance... Já comecei e apaguei várias vezes... Mas não desisto... Me lembro de uma frase peculiar que ...

Poucos aceitam o fardo da própria vitória; a maioria desiste dos sonhos quando eles se tornam possíveis." ...

Por isso não pretendo desistir...

Não sou particularmente apreciador dos livros do Paulo Coelho. Mas confesso que já lí alguns, devido ao Alquimista, cuja leitura me prendeu. Concordo com o que disse sobre ele ser um iniciador, um formador de leitores. Conheço várias pessoas que têm poucos livros em casa, mas entre eles, um pelo menos é do Paulo Coelho. Parabéns pelo belo texto.

li alguns dos eus livros.Uma literatura fácil. ,raspa alí para o escapismo.verdade.tem coisa melhor para lermos.Mas...é uma forma de inicair os jovens na literatura,daó ele spulam para os melhores.afinal tudo é válido se a alma na é pequna,isto val para a literatura e os leitores.

Postar um comentário