« Home | Pai, por que não sê-lo? » | Vantagens Literárias - por Dora Vilela » | Babel » | Palimpnóia » | Ficção e Desatino » | Hein?! » | Arte Incomum » | O Martelo e a Bigorna » | Armorial X Rinocerontal - Por Carlos Gildemar Pont... » | Babel »

Hein!?

Música eletrônica...?

Música Eletrônica?

Sobre o significado do termo ‘techno’ existem várias teorias, umas verdadeiras, outras não. É verdade que esse nome foi usado em épocas diferentes para dar nome a gêneros novos da música. Os criadores do ‘tal’ termo foram os integrantes do grupo ‘Wraftwerk’, que no começo dos anos 70 criaram a música sintética. A princípio o nome ‘techno’ servia apenas para apresentar músicas construídas com efeitos sonoros, ruídos e de computação. Por alguns anos ficara vista assim pelos grandes estúdios de gravação até a evolução da tecnologia nos anos posteriores. Hoje o certo é dizer que a música ‘techno’ é também ‘eletrônica’ e que não mais usam somente os efeitos e ruídos da computação, mas sim aproveitam toda a sua multiplicidade dentro da cena.

Nos anos 80 existiram inúmeros movimentos musicais em toda a Europa, e o mais famoso era o ‘Techno Club Frankfurt’, fundado em 1984, e que a mais de 13 anos foi o templo culto da dança e do movimento ‘Techno’. Teve também o ‘Acid House’ que era a moda de 1988 nos EUA e um ano mais tarde na Inglaterra, onde surgiram as ‘Raves’. Em 1990 veio a fusão, conhecida como a “Revolução Techno” até hoje, um mix trazido pela globalização que unia as influências americanas do ‘House Gruve’ e o ‘Techno Europeu’ que se misturavam num novo estilo chamado hoje de “Tchno House’. E é esse estilo que até o momento vem proliferando diversos segmentos no meio eletrônico, misturando batidas de todos os lugares do mundo, cada um com seu estilo próprio ganhando as pistas e bebendo muito das raízes musicais de cada cultura. É a música na era tecnológica.

É de se imaginar que eu não tenha muita afinidade com este tipo de música, né? rs... Mas tenho um filho roqueiro e eclético, portanto já estou familiarizada com o som! Mas tem uma menina paulista que gosto muito, Fernanda Porto. Não sei se o som dela se enquadra neste seu texto!
De qq forma, seu texto me traz informação nova e isso sempre gosto.
Beijocas menino e bom domingo!

Não conheço nada de música eletrônica, apenas vagamente ao ouvir conversas de meus sobrinhos com amigos. Parece um mercado inreversível. Eu curto a boa música acústica.
Um abraço.

Weberth
Outro dia na universidade conversando com um pessoal que faz pesquisa na área de acústica soube que essa atividade (som e tecnologia) está dando origem a uma nova profissão, a de designer sonoro. Nunca imaginei (rsss)

Um abraço.

Santa Helena, Euza Noronha e demais amigos do Miolo de Pote, o que vai abaixo, acontece aqui:SOLIDARIEDADE PARA MUDAR E TRANSFORMAR

Somos no mundo moderno o que na linguagem mais simples e geral da internet denominou-se “Internauta”. Mas diferentemente dos demais nos destacamos por que não somos somente internautas, somos ao mesmo tempo “blogueiros”, aqueles que escrevem com total liberdade. Alguns sites tem inovado e usado o blog como um tipo de mídia, no qual jornalistas e outros segmentos profissionais colocam notícias, informações e comentários da sua área (profissional, política, esportes, televisão, arte, educação, cultura, cinema, música, meio ambiente, saúde, lazer, etc.). Pertencemos à elite da mídia, pois representamos não mais que 2 % da sociedade brasileira com poder de comunicação. Pode parecer pouco, mas é este pequeno segmento que faz a repercussão, discute e forma a opinião, o pensamento dos outros 98 % da sociedade. É neste nosso minúsculo seguimento que a maioria (98%) busca informação, conhecimento, em síntese, o saber. Este fato nos torna responsável pelo rumo que pode tomar as decisões mais importantes deste país. Cada um de nós está ligado a uma comunidade, seja profissional, religiosa, desportista, cultural, etc., onde discutimos e aqui repercutimos essa discussão, contribuindo, conscientes ou não, para a formação do pensamento nacional. Pensamos diferentes, mas sonhamos o mesmo sonho. Queremos o mesmo para todos, um País onde haja liberdade e oportunidade iguais para todos. Se sonharmos o mesmo sonho e queremos o mesmo para todos, então podemos juntos realizar a mudança para a transformação em benefício de todos. Basta nos unirmos para este objetivo, transformando esta nossa rede em uma corrente resistente, solidária e capaz de mudar para transformar.
Abs e bjos do Jarbas Cordeiro de Campos, do Aparte.

SEOU DE URUGUAIANA -RS SOU LOKO POR MUSICA ELETRONICA , SOU EX DANCER DE BOATE ELETRO, CURTO MUITO ELETR,HOUSE,TECHNO, TRANCE E PSY se alguem quise falar ou trocar ideias tronic054@hotmail.com

Postar um comentário