« Home | Um Enigmático Sorriso » | Máquinas que falam – Por Carla Rodrigues » | Saudades do amor - por Pablo Capistrano » | Hein!? » | Pai, por que não sê-lo? » | Vantagens Literárias - por Dora Vilela » | Babel » | Palimpnóia » | Ficção e Desatino » | Hein?! »

Jovem Guarda

Hein!?...

A Jovem Guarda surgiu com músicas que falavam de beijos, amor, sexo e com tudo numa linha de rebeldia contra os costumes da época. Esse fenômeno que conquistou o Brasil na década de 60 é um bom exemplo de como os artistas se utilizavam da cultura norte-americana para construir nossa música e os movimentos do país. Os grandes hits de sucesso de muitas bandas e músicos da época eram não menos que covers traduzidos de músicas estrangeiras, claro que com novos arranjos e aquela pitada de rebeldia. Cantores como Wanderléia, Silvinha, Eduardo Araújo, Renato e Seus Blue Caps, Jerry Adriane, The Fevers, Golden Boys, Ronnie Von e muitos outros, tornaram-se famosos por causa dos covers. É claro que, todos eles também tinham suas próprias canções, e que ganharam reconhecimento do público mais tarde, mas sem dúvida, para aparecer nas paradas tinha que ter os covers de sucesso.

Dois dos maiores compositores dessa época eram Roberto Carlos e Erasmo Carlos, cujas músicas foram cantadas por quase toda a turma da Jovem Guarda. Na verdade existia um grande rodízio de composições feitas e cantadas por todos, como se a Jovem Guarda fosse uma grande família. A divulgação dessa grande turma de roqueiros brasileiros era feita através de um programa televisivo e de muito sucesso transmitido pela TV Record nas tardes de domingo, também chamado de Jovem Guarda, de onde saiu a denominação do movimento.

A imprensa noticiou assim: “Vai ao ar o primeiro programa Jovem Guarda. – Roberto Carlos arrumava seu microfone, e seus dedos exibiam anéis de ouro e jade. Após uma dose de San Raphael, diz algumas gírias em voz baixa, curva o tronco até a altura dos joelhos. O medalhão salta da camisa. Ele estica o braço, entra no palco e anuncia. – O meu amigo, Erasmo Carlos!”. Então se tinha início o maior show da música brasileira e juvenil da história do Brasil. Assim foi comandada a estréia da Jovem Guarda, sob o carisma de Roberto Carlos, todos os domingos das 16:30 até às 17:30hs, o público lotava o teatro, aplaudiam cantando e berrando freneticamente por seus ídolos. Participaram do programa de estréia; Tony Campello, Wanderléia, Rosemary, Ronnie Cord, The Jet Blacks, Erasmo Carlos, e Prini Lorez.

A Jovem Guarda foi só um dos grandes movimentos artísticos do passado,o que não se faz na atualidade na tv brasileira,infelizmente.Valeu pela lembrança ao menos isso nos resta:boas lembranças.
Parabéns!

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

Weberth

A Jovem Guarda, no meu ponto de vista, foi um movimento que teve mais coisas negativas do que positivas; comercialmente se institucionalizou o jabá e quando as gravadoras se tornaram multinacionais eliminavam a música brasileira.Passa-se a ter a música propositalmente empobrecida. Os produtores tinham talento pra criar ídolos, sem preocupação com a qualidade. A falta de qualidade musical foi o forte desse movimento.

Olá, ficaria honrada com sua visita e sugestão.

Postar um comentário