« Home | Nunca diga sempre - Por Pablo Capistrano » | Os dois lados da moeda - Por Patrick Gleber » | Doutor da Praça - Por Crys » | O Martelo e a Bigorna » | Da vocação de se contar histórias - por Maria Clar... » | Babel » | Palimpnóia » | A mãe de Brecht – por Pablo Capistrano » | O Martelo e a Bigorna » | Gramática no cordel - Por Rosenval de Almeida »

Eu amo Clarice

Há um tempo atrás, alguém ironizou os meus escritos chamando-os de catarse que pretendia ser lispectoriana. Dei a este comentário a mesma importância que dou a pré-julgamentos – especialmente porque foi um pseudo-anonimato. Mas confesso que ele ficou borbulhando por sob a pele. Não pelo seu caráter pejorativo, mas por criar em mim interrogações novas. Nunca havia me perguntado sobre meu grande amor por Clarice Lispector.
Tudo começou quando eu ainda era uma pré-adolescente. Pelas mãos de um professor fui apresentada ao livro Água Viva. A primeira leitura me deixou excitada. Como se as páginas guardassem estimulantes hormonais que me fariam mulher. E guardavam. Não os estimulantes sexuais, mas algo que tinha efeito muito parecido. E esta leitura foi feita com a respiração suspensa e o fôlego à beira de um colapso.
Descobri a chave de muitas outras portas a serem abertas. Água Viva me levou a um sem-número de escritos que, aparentemente irregulares, fugiam a qualquer tentativa de comparação com tudo que eu já tinha lido. Descobri Clarice Lispector. Sua inteligente e inventiva linguagem coloquial e seus profundos questionamentos da condição humana levaram-me, ainda adolescente, a buscar entender o mundo à minha volta. E aguçaram minha intuição para transitar entre os claros e escuros da vida.
Atravessei a adolescência sorrindo para Clarice. Como se através de seus livros eu a tivesse ao lado. E ao longo de todos estes anos, estive de mãos dadas com ela. Fascinada com o mundo poético que ela criou e que reflete a liberdade da escrita. Fascinada com o seu brilhante tormento, que mais parece uma tempestade de raios prestes a rasgar a face oculta do ser. Ao mesmo tempo, invejosa da doçura do feminino que ocupa espaços sem gritos, numa ação interior que convida ao mergulho e promete renascimento. Racional e instintiva, Clarice traduz-se para mim na busca da própria consciência. Portanto, uma sempre instigante, sempre original, sempre libertária leitura.
Então é assim: Clarice foi grande paixão que ocupou os hiatos da minha adolescência e foi ressonância, durante anos, para a clandestinidade dos meus sentimentos. Hoje é amor. E como todo amor, é deriva e porto, partida e chegada, alquimia e exorcismo. E mais não sei explicar, porque amor é vida. E de vida só entendo que viver ultrapassa todo entendimento.


Imagem: Clarice Lispector retratada por De Chirico

Clarice... A minha adolescência, Euza, não teve as palavras escritas por Clarice, mas as teve sentidas.
Meu amor por Clarice Lispector é recente. Um amor que se permite a paixão a cada momento que eu a leio novamente. Nos questionamentos da Clarice eu me vejo questionada e questionando; nas respostas que encontro, quando encontro, me vejo clariceando e escapando...
Ler Clarice é uma aventura. Ler Clarice, sentir Clarice, é se permitir entrar em contato com a própria Sombra. Sombra, este escuro onde guardamos tudo que tem expressão emocional relevante e com o qual temos dificuldade de lidar. Sombra, como costumo dizer, o mais dentro em nós, o que nos revela.
Para mim, Clarice Lispector é um Arquétipo. Me permito, não desrespeitando a singularidade dela, muito pelo contrário, imprimi-la no Inconsciente Coletivo e trazê-la para dentro de todas nós mulheres. Sabe o mistério que finge ser desvendado e sorri por permanecer mistério? Eis Clarice em nós.
Bju, Euza!

O que vou dizer pode lhe parecer um sacrilégio, mas nunca gostei dos livros de Clarice Lispector. Reconheço não ter lido muito mas exatamente por não entender é que desisti de ler. Mas este texto abre algumas interrogações interessantes e causa uma curiosidade nova neste neo-leitor.
Um dos bons motivos para gostar de ler o que escreves é que sempre crias novos espaços na minha cristalização.
Beijos mulher!

Confesso que minha admiração por ela só veio com o mundo blogueiro,LOBA.
Beijão e uma otima semana.

Tenho que confessar: Clarice Lispector foge completamente ao meu entendimento! rsrsrsrs...
Ultimamente tenho lido trechos dela aqui na net e mais por ler blogs e pelas indicações de amigos. Ainda tenho dificuldade com sua escrita e ando achando que é por não querer me ver no que ela escreve.
Valeu este texto! É mais um incentivo para que eu entre no mundo lispectoriano como vc diz.
Beijinhos

Eita! O anônimo sou eu, Drica! rsrsrsrs

Loba! Interessante esse seu amor por Clarice! Mas, eu já percebi que essa autora realiza esse movimento: ou as pessoas a odeiam, ou a amam muito...rs Não há meio termo com ela...
Quando Clarice surgiu no cenário da Literatura causou um impacto. A recepção da crítica e do público foi de perplexidade. Passada essa fase inicial, com o estranhamento do novo..., a percepção da beleza "exótica" da obra clariceana começou...Você tem afinidade com essa escritura "metafórico-metafísica" de Clarice. Ela inaugurou uma nova "prática" de escrever. É original, completamente. E você deve ter apreendido essa "mágica".
Também faço parte dos "que amam Clarice".
Mas, meu filho, na época do vestibular, ao TER QUE ESTUDAR Clarice, me perguntou: "Mãe!! Essa autora é louca??" rs Ele não encontrou as chaves-senhas do universo dela.
Beijão!
E que Clarice a acompanhe sempre...
Dora

Tive um professor de literatura no ensino médio que era fanático por Clarice Lispector. Entre cinco citações que ele fazia, três eram dela. Era um porre, o professor e suas aulas. Só vim mesmo a gostar de literatura muito tempo depois, mas ainda não gosto desta autora.
Mas gosto dos textos que vc escreve. Não tanto pela linguagem (às vezes eu me perco em suas metáforas especialmente nos contos e nas poesias) mas porque vc sempre dá um jeito de cutucar a gente com seus escritos.
Beijos

Navega em Clarice quem mergulha seus próprios mistérios, quem sente que ir ao fundo pode render mais oxigênio.
beijos lobita

de Clarice conheço apenas uma entrevista que assisti no programa entrelinhas da tv cultura, não sei porque estou adiando a leitura dos tantos livros que ela escreveu.
clarice é uma autora que não li mas gosto (ou melhor sei que vou gostar).
beijo

também amo clarice, e viver ultrapassa todo o meu entendimento...
Eterna aprendiz... :-)))


beijos minha amiga querida!!!
Elis

Você é muito chique. Revidou um comentário anônimo com uma crônica maravilhosa. Grande homenagem a Clarice. parabéns.

Tenho por Clarice uma relação de amor incondicional, ela é minha referência, minha ídola,minha mestra,na verdade eu queria ser Clarice,rssss
Parabéns Lobinha por tudo.
lindo dia flor
beijossssssssssss

Clarice não é desse mundo. Ela está para além de todos os sentidos. Sempre quando olho para as suas fotos tenho a nítida sensação de ver duas anteninhas sobre a sua cabeça. Não duvidem, Clarice era um E.T.

Euza, eu também amo Clarice, sobretudo por haver escrito "Perto do Coração elvagem". É demais. É o melhor. E sua pessoa, aparentemente tão distante e misteriosa, mas tão próxima, atenciosa e delicada quando alguém se aproximava dela. Um beijo, grande Euza.

Oi Loba! Eis que reapareço! Gostei da crônica. Não conheço muito de Clarice, mas gosto do pouco que conheço. Sabe que estava lendo seu blog e vi sua explicação sobre o nome da....palimpnóia (acertei?) e não entendi nada, risos.....meu tico saiu de férias....risos....Um grande beijo! Espero não sumir mais tanto tempo....Sinto saudades daqui!

Tb amo Clarice. E vc disse tudo. Meu beijo.

Adorei este texto

"E mais não sei explicar, porque amor é vida. E de vida só entendo que viver ultrapassa todo entendimento".

Nada, mas nada tenho a dizer - está tuso dito!

Beijinhos
BomFeriado

Loba,Clarice é um mundo especial,nao é? Creio que é preciso ser mulher ou ter alma feminina para entende-la. faço minha as plavras da Dora. E,fiquei tambem assim,meio abestalhando achando que ela era uma louca(meio como eu!)nos demos bem! Texto claro o seu.Elegancia e sobretudo,explicativo.Beijoa,querida.Olha,gostei da dispisiçao em pagar carona!Dexy.Agora vou jantar.

Realmente Clarice tem um mistério...e apaixonante.
Seu jeito exclusivo de escrever fascina mesmo.

Compreendo seu amor
:)

beijos

Euza, eu diria que seu texto é uma declaração de amor. Vc fala desta descoberta desde a pré-adolescência até os dias atuais e o modo como falou de tudo é lindíssimo. Descobri Clarice há três ou quatro anos, e fiquei extasiado. Cada livro dela para é uma vida, cada palavra um sopro, cada frase um terremoto num chão de flores. Ela é, foi, será sempre A CLARICE LISPECTOR. Adoro sua imaginação, seus questionamentos, e principalmente o jeito às vezes dócil às vezes violento de embaralhar palavras. Eterna Clarice!!! :)

Beijos meus, muitos.

Um texto para refletir!
Temos una novidade, neste dia 04/11/06, completaremos 01 ano de blog, com a ajuda de todos que acompanham e incentiva o nosso trabalho e você é um deles.
Teremos uma exposição comemorativa neste dia.
Aguardamos sua visita:

Willam & Odilene

Eu também sou fascinado pela escrita de Clarice, me instiga e me faz ler e reler. Essa sensação e essas primeiras impressões que você teve ao ler "Agua Viva" e descobrir Clarisse e nas consequências que isso trouxe para a sua vida, me lembrou um pouco do que houve comigo, quando aos 16 anos ganhei um disco do Caetano, que por sua vez, descobriu Clarice na revista 'Senhor'. Tem toda uma ligação muito interessante, quase espiritual, eu diria. Adorei esse texto. Um beijo.

Tudo que leio de CLARICE LISPECTOR me fascina! E de certa forma sinto ter preferência em ler e gostar também de quem é fã dela assim como você LOBAEUZINHA LINDA QUERIDA :))!Acho seus escritos intrigantes e quando não entendo o que ela quer passar, guardo a frase e fico lá cismando com ela um tempão! Acredito que ela é como teia entre o racional e o imaginário. E ler você é bom demais da conta. Só não pode ler apressado sem atenção, gosto de ler e saborear suas palavras lentamente! Te adorooooooo!! Hummm agora tenho que acordar e corrrerrrrrr!!Beijos e beijokinhas docinhas de sorvete e cerejinhas S2 Veri S2

Descobri Clarice de um modo bem parecido, só que o livro foi O lustre, lançado nos anos 1940. Fiquei tão siderada que passei dois dias lendo sem parar até chegar ao fim. Surpresa total novidade eletrizante para quem só conhecia literaturas bem-comportadas. Depois disso li tudo que ela publicou e o que se refere a ela. Minha monografia de mestrado falou da multiplicidade na obra de Clarice, o título é Cronista da vida e da morte. Bonita sua crônica. Um beijo.

E então, não teria sido graças àquele comentário desairoso que chegaste a conhecer toda a beleza da Clarice? Portanto, não vale a pena se aborrecer com nada que aparentemente nos contraria Meus parabéns pelo belo texto. Beijos.

o período em clarice, segmento de reta, dois pontos, uma perpendicular, atende imperiosas exigências do geometrismo do rosto de clarice

Euza
Eu também amo a Clarisse e de repente uma alegria tonta me transborda agora por serem as escritoras Mônica Montone e Clarisse Lispector os pilares dessa ponte de apresentação que começamos a trilhar. Parabéns pelo blog e pelo lindo post. Espero ter a honra de partilhar com vocês esse espaço de liberdade...que sejamos como disse nossa musa em Aprendendo a Viver....
"É tão livre que será presa. Presa por que? Por excesso de liberdade. Mas essa liberdade é inocente? É. Até mesmo ingênua. Então por que a prisão? Por que a liberdade ofende"
Escrevo-te em desordem, bem sei. Mas é como vivo. Eu só trabalho com achados e perdidos" Clarisse
Um grande beijo
acabo de te enviar uma nesga do meu trabalho por email...aguardo contato...por hora obrigada pela atenção. um grande beijo Carol Montone (sua nova leitora)

Querida Euza, delicadeza nas garras, silêncios no grito, claridade nas profundezas escuras, vai aqui meu abraço por essa leitura que acabo de fazer num só fôlego, em homenagem a Clarice, a Lispector Beijos, amiga!

Clarice Lispector! Instigante, intrigante, apaixonante! Não sou leitor assícuo, por não ser um apaixonado. Lí Água Viva, o livro que te excitou, assim como outros. Sempre gostei e admirei a forma original e instigante de sua escrita. Talvez não a ame tanto por ser, o universo dela, tão feminino que, a nós, os homens, parece árduo de penetrar. A maioria das pessoas apaixonadas por Clarice, me parece, são mulheres. Também existem homens apaixonados por seu trabalho. Devem ser mais persistentes que eu no estudo de sua alma e mais sensíveis na compreensão de sua linguagem...

Parabéns pelo belíssimo texto que, como sempre, tem o teu toque especial.

Beijos.

Postar um comentário