« Home | Da vocação de se contar histórias - por Maria Clar... » | Babel » | Palimpnóia » | A mãe de Brecht – por Pablo Capistrano » | O Martelo e a Bigorna » | Gramática no cordel - Por Rosenval de Almeida » | Babel » | Palimpnóia » | A eterna novidade – Por Pablo Capistrano » | Babel »

O Martelo e a Bigorna


O caleidoscópio

“O nosso amor será como um caleidoscópio, uma realidade sempre curtida por ângulos diferentes para não perder a graça” - dizia com freqüência Cueca Melada, emaranhado aos braços de sua namorada.
“Então façamos dos nossos dias fragmentos de vidros coloridos que dêem às nossas vidas uma feição sempre distinta e encantadora aos nossos olhos” - ratificava sua amada Beterraba numa linguagem sempre contaminada por pronomes possessivos.
Assim eles acreditavam que deveria ser o amor, um sentimento plural, versátil e heterogêneo, capaz de ser provado multifacetadamente. Sua manifestação seria diversa e alegórica, insubordinada a qualquer paradigma.
Cueca Melada e Beterraba faziam questão de ressaltar que a manifestação dos seus amores seria diferente de todas as formas de amar até então observadas. Um amor que não era prosa nem poesia, pois se assim o fosse deixaria de ser um caleidoscópio e passaria a ser pastiche.
Para ser amor, argumentavam, tem que ser diferente, único, transcendente a qualquer fórmula ou enquadramento. Era a mais promissora chance de dar certo.
Defendiam que o amor deveria mesmo era ser posto a prova de tudo, conviver continuamente com turbilhões, maremotos, terremotos e vendavais, assim não sucumbiria a qualquer crise que viesse a chacoalhá-lo. Amor não é esteira de vime, sombra e água de coco, porque se assim se configurar terá uma baixa imunidade. O amor tem que ser resistente, teimoso e ousado, estar acima de qualquer pleonasmo.
O grande equívoco de Cueca Melada e Beterrada foi acreditar que o amor tem uma dinâmica própria que independe de suas partes, que se manifesta espontaneamente. Eles não sabiam que o amor para ser caleidoscópio necessita não apenas do olho atento, da vigília, mas acima de tudo ser inimigo da inércia e embalado pelo movimento.

Imagem: http://www.guardaqua.it/foto/sperimentali/serief01.jpg

O tempo passa, a vida esmorece, mas…

No compasso lento das horas
Numa corrida contra o tempo
Marco presença mesmo
Que seja só para desejar
BOM FIM DE SEMANA!!!

Beijos
Nadir

Postar um comentário