« Home | BABEL » | TEMPO, TEMPO, TEMPO, TEMPO » | NOTAS » | Palimpnóia » | » | BONECA VERMELHA » | O MARTELO E A BIGORNA » | BABEL » | Palimpnóia » | Javé, Jesus e Alá »

Poemando




















CANTIGA DE NINAR

Queria morrer de rir de mim sempre e por fim
E assim pudesse ser com todos

Morreria de rir da felicidade de ter amado quem amei
E ainda daqueles grãos de areia, que vizinhos ao meu nariz eram montanhas assombrosas

A morte pode ser igual calmaria de colo de vó se a gente acreditar que é
Pode ser chá quente em noite de trovão
Ah se ela pudesse ser até um tanto bonita
Poente ......


Chegasse ela de mansinho, com pressa de velha, eu faria amizade
Se me convencesse em silêncio que não preciso temer outras aventuras, sorriria curiosa
Largaria meu corpo qual sorvete derretendo no sol


Queria que ela matasse as saudades das belezas da minha vida toda num instante
E me ninasse longe do susto dos soluços de todos os meus tempos

Ela me prometeria a vida eterna
E a companhia de quem me deixou antes do tempo
Ah se eu pudesse não saber que da morte infelizmente nada se pode querer
Apenas esperar......

Por Carol Montone

Em tempo: Sabernos transitórios é tão assustador quanto fascinante. Com a crença de que a vida é um breve presente, sempre procurei viver o hoje como se fosse único e último. O futuro é um tempo que não existe para mim e isso é bom pois minha morte- se o universo permitir - está num futuro distante (risos) e éruim na medida em que não crer em bençãos anunciadas para depois também me causa ansiedade da obrigação de fazer do agora minha tábua de salvação. O mais triste deve ser quem morre para seus sonhos em vida. Você já cogitou, como eu, que o tempo pode ser mesmo inventado, assim como pode ser a morte que conhecemos, se pensarmos melhor...mas o que deve importar é que todo dia ao acordar nascemos de novo para sermos felizes, melhores do que fomos dormir e imaginar coisas boas, emanar energias de amor e paz e acreditar que é possível que mesmo as coisas mais terríveis, como a morte, sejam apenas uma parte engraçada da aventura. Se não nos é permitida a eternidade- para nossa pena ou sorte? - façamos então de cada momento experimentado, uma vida eterna.

Muito bem finalizado seu poema, maninha, parabéns!;o)...........

Beijocas,

MM

ps: tô tentando falar com você e não consigo, aaaaaarght

Que dera puséssemos parar no tempo e vivermos como loucos endiabrados, em Êxtase, pulando, vivendo, sem prenuncia de morte, e sempre estar ali, de pique, com vigor e feliz.

Sendo todos povoados com sonhos, e que cada dia seja apenas o retrocesso do dia passado onde fomos felizes e aí viveríamos numa roda viva, numa eterna alegria, num eterno olhar.

Se souber iamginar bastante pdoemos viver assim.
Fazendo cada dia único, nos tornamos construtures de uma sólida felicidades.

Belíssimo texto.


PS: poxa, sinto o miolo de pote muito em pó. Precisamos reverter isso.

MEUS BLOGS>>
http://pensamentosilegais.blogspot.com/
http://despertar-da-vida.blogspot.com/

oiii maezinha te amo muitao
continua com o peoma minha poeta eheh amo vc de montao beijao.

ola carolina meu nome e mateus adoro seus textos mas nunca coment continue assim vou cria meu bloger entao voce podera comentar no meu tambem beijus mat

Postar um comentário